Dudu Dantas fala sobre o duelo contra Darrion Caldwell no Bellator 184


Dudu Dantas cinturão

Dudu Dantas fará sua segunda defesa desde que recuperou o cinturão – Foto: Keith Mills/Sherdog.com

Dudu Dantas entra em ação na próxima sexta-feira (06) para mais um grande desafio. O brasileiro colocará o cinturão do peso-galo (até 61kg) em jogo contra o americano Darrion Caldwell na luta principal do Bellator 184 que será realizado em Oklahoma (EUA).

Em meio a preparação para mais uma defesa de cinturão, Dudu Dantas conversou com a reportagem do Lutas Esporte Clube e falou sobre a preparação a expectativa para mais um desafio.

“A minha preparação foi muito boa, estou bem treinado e procurei me aperfeiçoar procurando outros treinos diferentes. Treinei mais a parte em pé, do kickboxing, do boxe, que para mim é muito importante, uma luta que vou para decidir, pois cada luta que passa é um novo tipo de treinamento, então sei que tenho que estar mais afiado, mais preparado. Como estou com o cinturão meus adversários estão se preparando mais e dando o máximo para me enfrentar”, disse.

Dudu Dantas terá pela frente Darrion Caldwell, o duelo era para ter acontecido antes no Bellator 177, mas o americano se machucou e o foi substituído pelo também brasileiro Leandro Higo. Após a vitória sobre o compatriota, Caldwell entrou mais uma vez no caminho de Dudu, mas o carioca garantiu estar preparado e acredita que o combate não vai para a decisão dos árbitros.

“Eu já estava estudando para ele a muito tempo, a minha última luta era para ser com ele, mas faltando três semanas para a luta ele saiu e quebrou praticamente meu treinamento todo, mas ele ficou na minha cabeça. Sei que tenho um grande adversário pela frente, pois ele é um cara duro de wrestling, que derruba bem, tem um bom condicionamento físico, mas é um adversário que para onde a luta for ele está correndo perigo, onde essa luta for estarei finalizando. Essa luta é muito importante e quero muito fazer, eu preciso lutar com esse cara, então acredito que vai ser uma luta que não vai demorar muito, vai ser rápido, onde cair vou finalizar, pois estou com muita vontade de fazer essa luta”, disse.

O atleta da Nova União defenderá pela segunda vez o cinturão dos galos desde que retornou ao posto de campeão ao vencer Marcos Loro no Bellator 156. Em sua primeira defesa, Dudu Dantas levou a melhor na revanche contra Joe Warren por decisão dividida. O carioca falou sobre o prazer de devolver a derrota para o americano.

“Eu perdi o cinturão em 2014, mas eu sabia onde eu tinha errado, sabia o que tinha que fazer para melhorar, então voltei para a academia, revi meus erros, me preparei, fui onde era meu ponto fraco, treinei e hoje sou um atleta completo, mas quero cada vez mais me tornar um atleta melhor. Era o meu sonho devolver essa derrota para ele, estou praticamente invicto agora no Bellator com 10 vitórias e apenas uma derrota, mas essa derrota eu devolvi (risos). Para mim foi algo satisfatório, uma situação pessoal, foi bom ter devolvido essa derrota para ele e de forma bem clara”, disse Dudu Dantas praticamente descartando uma trilogia contra Joe Warren.

“Depende do Bellator, mas acredito que não tem mais lógica ter uma trilogia com ele, a não ser que ele venha de muitas vitórias, que acho difícil, pois na última luta ele não lutou bem. Acho que ele lutou mal, ele tem um jogo complicado, mas depois que você entende o que ele quer fica mais fácil de dominar. Acho muito difícil esssa trilogia acontecer”, disse.

O Bellator é um evento que vem crescendo e ultimamente alguns atletas tem trocado o UFC pela organização presidida por Scott Coker, para Dudu Dantas esse crescimento é muito bom e sonha com confrontos entre atletas dos dois eventos.

“Isso é muito bom para o evento é muito bom, pois chegam grandes atletas de alto nível nome e traz uma visibilidade muito grande para o Bellator. Para mim é muito bom, pois meu objetivo é ser rei do peso-galo, ser o atleta mais dominante na categoria, então para eu provar isso tenho que lutar com os melhores. Espero que venham todos do UFC, seria legal se pudessem unir os dois eventos e fizessem  uma luta super luta e unificassem os dois títulos seria um sonho. Sei que isso é difícil de acontecer, mas não impossível”, disse.