Gabriel Fedor fala sobre a vida nos EUA: “É um país que oferece muitas oportunidades”


Gabriel Fedor

Gabriel Fedor irá competir no mundial do Berkut que acontece na Rússia no dia 9 de dezembro – Divulgação

Campeão mundial de Jiu-Jitsu em 2015 na Califórnia, Gabriel Fedor se mudou esse ano para o lugar onde se consagrou como atleta profissional. No primeiro ano em que se dedica integralmente ao esporte desde que terminou a Faculdade de Direito, o capixaba acumulou bons resultados como o título do Roma Open, BJJ Tour, e Dallas Open. Buscando um melhor desempenho no próximo ano, Gabriel analisou seu desempenho em 2017:

“Não foi excelente, com eu queria, mas foi bom, não posso reclamar. Alguns eu ganhei, outros fiquei no pódio, o foco é estar sempre melhorando, buscando evoluir. Vou para o Brasil no fim do ano dar uma descansada, para no ano que vem ter um aproveitamento melhor”, declarou Gabriel.

O atleta recentemente foi convidado para participar do GP do Berkut com outras feras do Jiu-Jitsu mundial. O evento russo vem ganhando destaque no cenário da arte suave pela grande organização e renomados atletas competindo. Apesar de não ter vencido o torneio em sua primeira participação no evento, Gabriel terá uma nova chance, já que vai disputar o mundial do Berkut sem quimono no dia 9 de dezembro.

“Treinei bastante para o GP do Berkut, é um campeonato que queria muito ter ganhando, lutado melhor, mas nem sempre as coisas saem como queremos. Acho que não foi uma das melhores performances, cometi alguns erros, vacilei, posso dizer que a participação foi média, mas com certeza foi estar procurando melhorar.”

Além do Berkut, o atleta vai competir em sua penúltima competição esse ano no próximo fim de semana pela etapa do BJJ Tour, realizada em Las Vegas, Nevada. Atleta da Checkmat, onde treina na cidade de Long Beach (Califórnia), o capixaba falou sobre o que enxerga em relação a evolução do esporte, e a vida nos Estados Unidos, onde acredita ser o melhor lugar para viver como atleta:

“O cenário do Jiu-Jitsu mundial está bem profissional, é um esporte com muita gente praticando, competindo, principalmente hoje onde existe muita gente se dedicando apenas ao Jiu-Jitsu, integralmente ao esporte. O melhor lugar pra viver, onde acredito que o esporte está crescendo muito é nos Estados Unidos, não só na Califórnia, onde estou vivendo, mas no país todo. É um país que oferece muitas oportunidades, estou vivendo isso de perto, aqui o esporte te dá uma boa qualidade de vida”, finalizou o capixaba.