Judoca de Israel conquista o ouro, mas hino é vetado no Grand Slam de Abu Dhabi


Tal Flicker

Tal Flicker se sagra campeão da categoria meio-leve (66kg) no Grand Slam de Abu Dhabi – Divulgação IJF

Uma cena lamentável aconteceu no Grand Slam de Abu Dhabi. Na última quita-feira (26), o  israelense Tal Flicker conquistou a medalha de ouro da categoria meio-leve (66kg), mas por causa de um conflito político não pode ouvir o hino no pódio.

Os Emirados Árabes Unidos não reconhecem a legitimidade do Estado de Israel, com isso todos os atletas israelenses competiram sob a bandeira da Federação Internacional de Judô.  Tal Flicker se sagrou campeão, mas no pódio a bandeira do país foi substituída pela da FIJ. O fato não desmotivou o judoca que cantou o hino de forma sozinho.

“Israel é meu país, e tenho orgulho de ser israelense. O hino da federação que eles tocaram era apenas barulho de pano de fundo. Estava cantando Hatikvah com o coração. Todo mundo sabe que somos de Israel, sabe quem representamos”, disse o atleta, em entrevista à TV israelense “Channel 2″.

Além de Tal Flicker, Israel levou para o Grand Slam de Abu Dhabi mais 11 judocas, sendo sete homens e cinco mulheres, que nem sequer tiveram o direito de ter a bandeira no quimono. A seleção israelense de Judô ainda conquistou mais quatro medalhas de bronze com Gili Cohen (52kg), Tohar Butbul (73kg), Peter Paltchik (100kg) e Or Sasson (+100kg).