Representando o MMA de Cabo Frio, Rafael Bernardo fala sobre a carreira


Thiago Duval 

Shooto_Rafael_016

Rafael Bernardo comemora vitória sobre Rodrigo Bulldog – Foto: Renato Nogueira/MMA4Ever

A cidade de Cabo Frio (RJ) vem revelando grandes lutadores no cenário nacional e no dia 18 de outubro foi a vez de Rafael Bernardo representar o município da Região dos Lagos. O lutador da CTLA/Nova União entrou em ação pelo Shooto Bope, que aconteceu no Rio de Janeiro, e levou a melhor sobre Rodrigo Bulldog por finalização no segundo round.

Rafael Bernardo chegou a vitória após uma equilibrada, onde o lutador chegou ao triunfo ao usar bem o Jiu Jitsu e no chão aplicou o katagatame. O resultado positivo foi o segundo consecutivo na carreira, antes o cabofriense havia vencido Marco Nenê no Shooto 55, Rafael possui agora duas vitórias e uma derrota em seu cartel. Após a luta o atleta da Nova União falou sobre o duelo e um pouco sobre sua carreira.

“Treinei muito foi um período de treinamento de segunda a sábado nesses últimos três meses. Sabia que esse cara era muito duro no Muay Thai, tinha visto uma luta dele que ele tinha sido finalizado rápido, mas mesmo assim resolvi acreditar no Muay Thai. Eu vi que na trocação o caldo estava engrossando, como a gente treina na Nova União eu entrei nas pernas e graças a Deus consegui finalizar no katagatame. Estou treinando direto no Rio e agora vou tirar uma semana em Cabo Frio para descansar, curtir e depois voltar aos treinos, rumo agora as vitórias”, disse o lutador que pretende voltar a lutar somente em 2016.

“Esse ano acho que consegui encerrar, meu foco sempre foi o Shooto Bope, porque eu sou policial do Bope e já esperava esse evento, agora vou continuar treinando para no começo do ano que vem fazer mais uma luta”, disse.

Rafael Bernardo começou no Jiu-Jitsu por influência do pai e do irmão que são faixas preta, mas o lutador disse no início não curtia muito a arte suave e brincou dizendo que só ia pela mesada.

“Eu comecei com 14 anos, meu pai é faixa preta de Jiu Jitsu, meu irmão também é faixa preta, mas quando eu era pequeno não gostava de Jiu Jitsu não, eu só ia na sexta-feira para pegar a mesada com meu pai (risos). Treinava uma vez na semana, aí comecei a treinar Muay Thai, lá com o Mestre Gibran Cardoso em Cabo Frio, depois eu conheci o Mestre Petterson Melo, que é onde eu treino até hoje e aqui no Rio, na Nova União com o Mestre Dedé (Pederneiras). Com o Petterson eu conheci o MMA e vim para o Rio e treino na Nova União”, disse.

Rafael e Gibran

Rafael Bernardo ao lado de Gibran Cardoso com quem começou no Muay Thai – Foto: Thiago Duval

A vontade de Rafael Bernardo em migrar para o MMA surgiu quando começou a treinar na equipe Giba Thai, com o Mestre Gibran Cardoso e através de Petterson Melo da equipe CTLA que conseguiu a migração  até e chegar na equipe Nova União. O atleta também falou sobre alguns colegas de time que tem atuado pelo cenário nacional nas artes marciais mistas.

“Comecei a treinar com o Gibran, dali que eu comecei a ver que queria partir para o MMA, aí fui treinar com o Petterson Melo, que é referência no MMA na Região. Foi através do Petterson que cheguei até a Nova União, sou atleta CTLA Nova União. Lá na CTLA temos vários atletas que já lutaram o Shooto, eu, o Alexandre Cirne, o Ivan Paiva, o Emanuel Oliveira. o Ailton Fireman, todos esses atletas são oriundos da Região dos Lagos, atletas do Petterson”, disse.

Lutador de Cabo Frio e treinando na equipe Nova União no Rio de Janeiro, Rafael Bernardo falou que a cidade possui grandes lutadores, mas esbarram em problemas como a falta de apoio.

“Cabo Frio além de ter ótimos professores tem muita gente que quer, as vezes a gente não consegue luta por causa de patrocínio e tem que trabalhar e não consegue se dedicar ao treino, o pessoal do Rio tem mais esse foco tem muita gente que consegue só treinar, lá infelizmente a gente não consegue. O próprio Mestre Gibran, que é um dos tops do Muay Thai, no Brasil, mas vira e mexe esbarra nessa dificuldade de só treinar e tem que dar aula e não tem tanto tempo para isso, tem a família, tem aquilo e as vezes não consegue, mas lá tem ótimos lutadores, que se algum investidor começar a olhar para lá para investir nessa galera vão sair muitos campeões de lá. Lá é bom demais e se tivesse mais apoio teria mais atletas despontando por aí, tem muita academia lá, muito lutador, vira e mexe você vê aí um cara lutando bem e quando vai buscar o cara é de Cabo Frio de São Pedro”, disse.

Shooto_Rafael_015

Rafael Bernardo levou a melhor sobre Rodrigo Bulldog – Foto: Renato Nogueira/MMA4Ever

No cenário do MMA nacional existem muitos lutadores que tem outras profissões fora da luta e com Rafael Bernardo não é diferente, o lutador é policial do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e diz que o trabalho ajuda muito na luta.

“Além de ajudar na preparação física, ajuda no pscicológico fica muito tranquilo, porque a gente vive muita coisa aí na rua que a gente sobe alí no cage e fica aquele medo, mas não tem essa, é um esporte, a gente pode ganhar ou perder, porrada é o de menos (risos)”, disse o lutador que aproveitou para agradecer aos companheiros de profissão.

“Inclusive eu tenho que agradecer ao Coronel Sarmento, ao Capitão Matos, diversos oficiais que tem no batalhão, porque quando chega perto de luta eles dão um jeitinho de me botar um dia que eu vá treinar, e eu consigo concilar o treino com o trabalho graças a Deus, então também não posso deixar de agradecer eles”, disse.

Devido aos treinos e a profissão, Rafael Bernardo saiu de Cabo Frio e foi treinar no Rio de Janeiro, o lutador, que vai casar no fim do ano, fala como é a rotina na Cidade Maravilhosa.

“Eu divido apartamento aqui no Rio com dois amigos, aí eu fico de segunda a sábado aqui longe da minha família, da minha noiva, eu vou casar em novembro e fico longe dela treinando aqui para correr atrás do meu sonho, é a minha segunda vitória consecutiva e se Deus quiser só vão melhorar as coisas agora”, disse.

Para os próximos compromissos no MMA Rafael Bernardo disse que quer lutar mais  vezes e no cage ele se diverte. O atleta quer continuar lutando.

“Eu só quero me divertir, quero lutar, toda vez que eu subo para lutar é diversão, graças a Deus ganhei de novo e saí feliz. Agora é uma luta de cada vez, agora vou lutar a outra, a outra, eu quero só lutar e isso é bom. Vamos ver agora está nas mãos do Dedé, o que o patrão mandar a gente faz (risos)”, brincou.

O Shooto Bope foi acompanhado de perto pelo diretor-geral do UFC, Giovani Decker e do ex-lutador e agora embaixador de relacionamento com atletas do UFC Brasil, Rodrigo Minotauro. Rafael Bernardo deixou uma boa impressão com a vitória mas o lutador diz que é muito cedo e brincou.

“Tá muito cedo ainda, tenho que lutar muito ainda e trocar muita porrada ainda para chegar lá (risos)”, disse.