Seletiva Aberta revela novos talentos do Taekwondo no Rio de Janeiro


Seletiva Taekwondo

A Seletiva Aberta contou com atletas de todo o Brasil – Divulgação CBTKD

Em meio a problemas judiciais, a Confederação Brasileira de Taekwondo realizou no último sábado (18) a primeira competição de 2017: a Seletiva Nacional Aberta. O Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (CEFAN), no Rio de Janeiro, recebeu atletas de todo país que entraram em ação em busca de uma vaga no Grand Slam de formação da Seleção Brasileira.

No total 43 atletas que se sagraram  campeões da Seletiva Aberta Nacional e, consequentemente, vão se juntar aos melhores taekwondistas do Brasil para disputar o Grand Slam de formação da Seleção Brasileira de 2017, que será realizado no início de abril.

A Seletiva Aberta contou com atletas de todo o Brasil que vieram ao Rio de Janeiro para tentar conquistar uma vaga no Grand Slam, porém apenas os campeões terão esse privilégio. Entre atletas consagrados e outros que se iniciam agora no Alto Rendimento, houve vários destaques no evento, nomeadamente algumas revelações de talentos que prometem dar o que falar no esporte.

Novos talentos

Seletiva Taekwondo 1

Seletiva Aberta contou com jovens atletas – Divulgação CBTKD

Entre os mais jovens, sobressaiu-se Guilherme Rossi, atleta da categoria Cadete (até 49Kg), que, com apenas dois anos no  Taekwondo já conseguiu garantir sua vaga para tentar entrar para a Seleção 2017.

“Este foi o meu primeiro campeonato a nível nacional e achei que foi muito bom e acirrado. O meu oponente era bem inteligente e estrategista. Mas eu estou muito feliz por ter feito uma boa luta e ter conquistado a vitória.  Sempre tentei estar entre os melhores e estou muito satisfeito por poder disputar uma vaga para a Seleção no Grand Slam. Vou treinar muito para tentar entrar para a Seleção”, declarou o adolescente de 13 anos, que treina em Mauá – SP.

Outra revelação da competição veio de Pato Branco, no Paraná. Bruno Santos, de 16 anos, foi campeão na categoria até 73Kg Juvenil, após ter participado da sua primeira competição nacional.

“É a primeira vez que estou disputando a Seletiva e acabei gostando do resultado que conquistei. Agora vou treinar para o Grand Slam, porque quero vencer também”, afirmou Bruno que tem apenas dois anos de Taekwondo e, embora tenha se iniciado no esporte para praticar alguma atividade física, logo se apaixonou pela competição.

“Decidi começar a participar de campeonatos quando vi que tinha talento e potencial para ganhar.  Acabei ganhando gosto e agora quero levar o Taekwondo para o resto da minha vida. O meu objetivo é participar dos Jogos Olímpicos de 2024”, contou o atleta,  que ainda elogiou a Seletiva dizendo, que estava “com uma excelente estrutura e muito bem organizada”.

Jovens com experiência

Seletiva Taekwondo 2

Divugação CBTKD

Com mais experiência no mundo do Taekwondo, apesar da sua jovem idade, Vitória de Lima, de 20 anos, foi também destaque na Seletiva.  A atleta de Porto Alegre, que foi vice-campeã pan-americana Juvenil  em 2013, conquistou o ouro na categoria até 53Kg Adulto, e garantiu o seu regresso ao Rio de Janeiro  para lutar o Grand Slam, estando confiante de que poderá obter um bom resultado.

“Já conheço as atletas com quem vou lutar no Grand Slam. São mais ou menos da minha idade e já lutei com quase todas. O nível será alto, mas acho que posso conseguir a vaga na seleção”, declarou, acrescentando que vem feito alguns treinamentos com a atleta olímpica Iris Sing.

“Treino um pouco em Porto Alegre e faço alguns intercâmbios  aqui no Rio de Janeiro, com a Iris. Está sendo muito boa esta experiência de treinar com uma atleta olímpica, tenho aprendido bastante coisa. ”, explicou a atleta gaúcha, que entrou no Taekwondo em 2009.

Vitória dedicou esta conquista ao seu pai, que perdeu há poucas semanas. “Este evento representou muito para mim, porque nos últimos tempos foi tudo corrido eu não ia participar mais. Mas acabei usando essa perda como uma força extra, pois sei que o que ele mais queria é que eu ganhasse e continuasse lutando. O meu objetivo é participar dos Jogos Olímpicos. Se der tudo certo, espero participar em 2020, senão ainda sonho com 2024, não vou desistir”, concluiu.

Na categoria Adulto feminino até 49Kg, o destaque foi  Dangela Guimarães, de 17 anos. A atleta de Goiás treina desde os seis anos de idade e, embora seja mais jovens que a maioria das atletas da categoria Adulto, não se deixa intimidar.

“Nesta seletiva, o nível estava muito bom e as novas regras estão sendo muito bem aplicadas pelos árbitros. O Grand Slam de certeza que ainda vai ser muito melhor. Agora que comecei no Adulto, vou me preparar e espero que dê tudo certo. O Adulto é difícil, mas eu estou treinando bastante, indo bem na categoria e com o foco de treinar arduamente para as competições nacionais e internacionais”, contou a atleta.

Convidados ilustres

Entre várias presenças ilustres, como presidentes de federações,  representantes do Comitê Olímpico do Brasil e responsáveis do CEFAN, destacou-se a convidada  internacional Song Namjeong, instrutora da Kukkiwon que representou essa instituição nesta seletiva.

“O evento me surpreendeu. Está muito bem organizado, com um visual muito bonito. Além disso, está fluindo muito bem e isso me agradou bastante. Estou gostando muito de estar aqui presente e de poder conhecer o Brasil”, declarou a tricampeã Mundial de Poomsae, que visitou o nosso país pela primeira vez.
Sucesso para repetir

Por fim, o balanço do interventor Carlos Carvalho, também foi bastante positivo. “Acho que o evento foi um sucesso e, apesar do pouco recurso que tivemos, nós sabemos que teve um equipamento de primeira, não houve reclamações de atleta ou de técnicos, nem nenhum incidente. Foi um evento muito proveitoso, que mostrou que é possível fazer um bom campeonato com os recursos necessários e a colaboração de todos”, argumentou Carvalho.

O interventor destacou ainda a qualidade técnica da competição: “Esta Seletiva abriu o caminho para que se possa realizar mais competições com qualidade, pois é isso que os atletas merecem. Acho que todos estavam focados exclusivamente nas lutas e não tiveram nenhuma interferência externa, como aconteceu em outros eventos. Foi um nível técnico  muito bom e podemos entender isso em razão de todo o equipamento que foi utilizado”, concluiu.

A Seletiva Nacional Aberta foi realizada pela CBTKD – Confederação Brasileira de Taekwondo com a parceria e apoio do CEFAN – Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes e do COB – Comitê Olímpico do Brasil.